Alto Tâmega

Localização da Região do Alto Tâmega 



A região do Alto Tâmega, composta os municípios de Montalegre, Boticas, Chaves, Ribeira de Pena, Vila Pouca de Aguiar e Valpaços, situa-se no Norte do País, fazendo fronteira com Espanha. É uma região com cerca de 3.000 Km2, e uma população que não atinge os 95.000 habitantes – o que resulta numa densidade populacional de aproximadamente 32 habitantes por Km2, muito abaixo a média nacional no território continental (aproximadamente 110).



O Rio Tâmega atravessa-a, genericamente de Nordeste para Sudoeste, marcando significativamente a paisagem e o território. O clima é já de forte pendor continental, afastado da influência directa do Oceano Atlântico, mas com índices de humidade no solo e no ar bastante mais elevados que os da meseta Ibérica. O relevo é significativo, podendo observar-se paisagem de montanha e de vale fértil, com forte potencial agrícola e pecuário.



Uma das características naturais de uma boa parte deste território é a existência de águas termais, conhecidas e usadas desde pelo menos a ocupação romana – e de que as termas de Chaves (Aquae Flaviae) dão ainda hoje testemunho. Essas águas, de características variadas e próprias para tratamentos cutâneos e do sistema digestivo (entre outros) produziram um fenómeno turístico muito intenso ao longo dos finais do século XIX e primeira metade do XX. Segui-se um lapso de tempo em que a decadência desse momento áureo lançou sombra sobre boa parte da região e das suas gentes: já não se alugavam quartos, encerrou-se a linha férrea e o comboio – outrora ligação rápida e eficaz com o litoral e os grandes centros urbanos – deixou de chegar, os hotéis (dos mais luxuosos aos mais acessíveis) encerraram, foram abandonados e degradaram-se, muitos dos restaurantes fecharam portas… mantinham-se as empresas de engarrafamento de águas minerais, mas também essas com algumas perdas.


Actualmente a região mira objectivos ambiciosos em várias áreas e, especificamente, na área turística. Pretende potenciar os seus recursos patrimoniais (património natural e cultural), novas infra-estruturas e equipamentos foram (e estão a ser) montados, há projectos de reactivação da exploração de balneários termais e outros já em pleno funcionamento, há novos projectos hoteleiros gizados sob novas e arrojadas orientações… as ligações rodoviárias permitem alcançar o coração do Alto Tâmega em cerca de 90 minutos, a partir do aeroporto português mais próximo. O Alto Tâmega está num momento único de viragem e é, também por isso, um estudo de caso singular onde convergem algumas das discussões actuais sobre turismo patrimonial e de natureza, turismo responsável e turismo sustentável.


Galeria de imagens

Para obter informações mais completas sobre os Alto Tâmega visite  http://visitaltotamega.com/